Ser Livre ou Ser Rico?

Se você perguntasse para alguém se gostaria de ser rico a resposta quase que imediata seria: “Claro que sim!”. Porém, por outro lado, se colocasse um ponto de decisão nesse tipo de pergunta teríamos uma resposta diferente: “Você gostaria de ser rico OU ser livre?”. A resposta muito provavelmente seria: “Adoraria ser rico, mas preciso ser livre”. É exatamente o tema central deste post: liberdade – liberdade financeira para ser mais específico.

Geralmente, grande parte das pessoas pensam que para ser livre financeiramente tem-se que ser rico primeiro. Mas isso não é verdade. Ser financeiramente livre é não ter que se preocupar com dinheiro: nunca mais! É fazer com que cada soldado (cada real – R$) trabalhe arduamente para você, para que possa pagar pelo estilo de vida que deseja. Quando não tiver que trabalhar pelo dinheiro e estiver acontecendo o contrário (o dinheiro trabalhar por você) pode-se pensar em ser rico. Primeiro a liberdade financeira, depois ser rico (mesmo!).

Mas… como chegar lá? É simples, mas não é tão fácil. Daí surge uma pergunta que pode valer seu futuro financeiro: está preparado para pagar pelo preço da sua liberdade financeira e riqueza? Se sim, seja bem vindo ao clube. Com um pouco de sorte, planejamento, disciplina e atitudes certas em relação ao dinheiro e investimentos não terá que trabalhar por muito tempo e poderá desfrutar de um bom padrão de vida que possa melhorar gradualmente, construindo passo-a-passo grandes e melhores riquezas em sua vida.

Basicamente, temos que aprender a andar com o que chamo de “as quatro rodas”, como se fosse um carro. A primeira roda trata-se dos Rendimentos. Existem dois tipos de rendimentos: ativos e passivos. Os rendimentos ativos são provenientes do seu trabalho, em que temos que fazer alguma coisa para ganhá-lo: sem essa roda é praticamente impossível (salvo algumas exceções muito raras) chegar à independência financeira ou à plenitude da riqueza. Muitas pessoas pensam que para ser rico tem que se ganhar rios de dinheiro e isso não é verdade: andam com apenas uma roda e andam em círculos. Os rendimentos passivos são provenientes do resultado positivo de seus investimentos ou de algum negócio que funcione sem sua presença física ou qualquer outra coisa parecida – vamos falar mais dele daqui a pouco. A segunda roda trata-se da Poupança: retira-se parte dos seus rendimentos ativos para que você possa SE PAGAR. Essa parte é fundamental para que alimente a terceira roda: a dos Investimentos. Aqui é que você escolhe onde colocar seu dinheiro para que ele gere os Rendimentos Passivos: eles estão gerando mais dinheiro sem você fazer muita coisa. Se serve de lembrança: “quanto maior o risco, maior o retorno” e com certeza maior atenção e cuidado. E, por fim, o azarão do páreo: a Simplificação. Essa última roda não é percebida por grande parte das pessoas, mas, geralmente, é ela quem faz a diferença. Até que você atinja (pelo menos) sua independência financeira, você tem que viver e consumir. Então, cabe a você, e somente você, determinar qual será seu estilo de vida: o que comer, onde morar, que carro usar, que roupas vestir, que tipo de entretenimento desfrutar, entre vários outros itens. Não! Não estou falando que não se possa gastar um pouco mais de dinheiro em algumas coisas caras: o problema está na freqüência com que se faz isso. Se estiver pensando em liberdade financeira e você não tiver condições para tal, por exemplo, não justifica ir todos os finais de semana ao cinema (sabia que em alguns cinemas tem dias que são baratíssimos?), ir todo fim de semana em restaurantes caros (já pensou que pode ser muito divertido cozinhar em casa, quem sabe com amigos ou com a família?) dentre várias outras coisas que achamos ser “naturais”. Podem até ser, mas esses hábitos minarão seu planejamento financeiro e sua liberdade financeira ficará cada vez mais distante.

Então, resumindo…

para se chegar lá:

Rendimentos;
Poupança;
Investimentos; e
Simplificação.

Com criatividade, disposição, paciência e dedicação no prazo que você determinar será financeiramente livre, poderá trabalhar SE quiser, naquilo que quiser e, claro, poderá ser mais rico!

Por Phillip Souza
Fonte: Blog Riquezas da Vida